Dificuldades com a Anvisa? Veja como o SAP pode ajudar sua empresa a estar de acordo com todas as normas

Por Enginebr
0 Comentário

imagem_artigo_anvisaPor Fábio Barnes*

Os setores químico e farmacêutico, pela natureza de suas atividades, têm muitos desafios diários a enfrentar. Fora as questões comuns de qualquer empresa – custos fixos, recursos humanos, fornecedores, qualidade e preço das matérias-primas, força de vendas, comunicação para diferenciação da concorrência, apreço dos consumidores, lucro – há outras variáveis que regem essas indústrias e devem estar sempre na pauta, como investimento constante em pesquisas, a cautelosa relação com a classe médica e a atenção a toda e qualquer movimentação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa. Uma boa nova para trazer um pouco de luz para esse cenário complexo: o SAP, sistema de gestão de classe mundial, é acessível a pequenas e médias companhias e pode evitar alguns contratempos que bloqueiam a evolução da organização, especialmente aqueles que esbarram nas normas das agências reguladoras.

O SAP é o sistema de gestão usado por todas as 500 maiores corporações do segmento fármaco no mundo. Nenhuma companhia entra para esse grupo seleto se a conduta não está inteiramente de acordo com as agências dos territórios em que atuam, seja a Food and Drugs Administration (FDA) ou a European Medicine Agency (EMA). Com a oferta do SAP na nuvem, ele passa a ser uma realidade para pequenas e médias empresas também, o que significa que as melhores práticas do mercado mundial estão acessíveis e podem trazer benefícios objetivos, como a capacidade de organizar e manter o rigor em todos os processos, mas também vantagens subjetivas como a valorização e reputação no mercado. É uma espécie de atestado de seriedade de conduta para acionistas, órgãos certificadores e outros stakeholders.Banner_ebook_quimico_ilha

No caso da Engine, um ponto positivo do SAP na nuvem é que toda e qualquer legislação da Anvisa que entre em vigor  é tratada de forma compartilhada pelo grupo de usuários, garantindo que os processos da empresa estejam, o mais rápido possível e no menor custo, dentro dos novos parâmetros definidos e a companhia não tenha surpresas desagradáveis por desatualização. Assim, é mais fácil ter o controle de todas as etapas de desenvolvimento de um produto, por exemplo, para que ele seja certificado e possa ser comercializado. Outro ponto importante no qual o SAP pode ajudar também é na rastreabilidade da informação, seja da matéria-prima que você tem no estoque, seja na entrega do produto.

É preciso ter em mente que, apesar dessas facilidades e da automatização dos processos, o fator humano continua importantíssimo e um bom prestador de serviço precisa fazer um estudo minucioso do seu quadro de funcionários, entender como eles vinham trabalhando e o que muda com um ERP de classe mundial, ajudando-os a compreender a nova realidade, adaptar-se a ela e aproveitá-la ao máximo. Sistemas e ferramentas integrados ainda podem oferecer informações úteis sobre a rentabilidade do produto com análises por volume, receitas, custos, vendedor, região e grupos de clientes, por exemplo. Tais dados podem dar mais subsídios à tomada de decisões estratégicas.

Além das questões de adequação aos padrões da Anvisa, a variável econômica é muito forte na oferta do SAP na nuvem. Isso porque o processo de implementação, se conduzido por um prestador de serviço experiente, elimina investimento inicial, o que não prejudica o fluxo de caixa da empresa, e ainda acaba com os custos ocultos embutidos na adoção de um ERP tradicional, como compra de equipamentos, licença do software e equipe interna de manutenção. O SAP é, sem dúvida, um grande facilitador dentro das empresas dos segmentos químico e farmacêutico, e pode ajudá-las a evitar turbulências. Oportunidade rara de navegar por mares mais serenos.

Fábio Barnes é Diretor Executivo da Engine