O que é a Indústria Farmacêutica 4.0?

industria-farmaceutica-4.0

Em 2008, o Google lançou um projeto chamado Google Healthy. Dez anos depois, em novembro de 2018, contratou um CEO para organizar suas iniciativas na área, que incluem o Google Fit, app que ajuda pessoas a terem uma atividade saudável diária; o Nest, uma solução de automação através de Internet das Coisas para residências e empresas; a Verily e a Calico, duas startups de biotecnologia; e a DeepMind, sua startup de Inteligência Artificial.

A Verily e a Calico são empresas de pesquisa e desenvolvimento e receberam cerca de US$ 2 bilhões da Alphabet, a holding de investimentos do Google. Em uma de suas iniciativas, utilizam machine learning para analisar a íris humana e fazer a projeção de problemas cardíacos.

A esta altura você já depreendeu o quanto a tecnologia impactará o mercado de saúde, incluindo o de medicamentos, que precisará ser muito mais associado com prevenção, tratamento específico (e cirúrgico, podemos dizer), além de resultados mais precisos e rápidos.

Ou seja, o jogo vai começar a mudar, e a indústria farmacêutica poderá alcançar mais resultados em áreas que combinem medicação e uso, monitoramento e controle por tecnologia digital. Isso significa que a cadeia de valor de ciências da vida – farmacêuticas, equipamentos, serviços médicos, diagnósticos – precisará estar muito mais próxima e integrada no futuro para alcançar resultados e perpetuidade.

A KPMG lançou um estudo nessa direção, chamado Indústria Farmacêutica 2030, que aponta três grandes áreas de atuação para as farmacêuticas nesse novo cenário.

As 3 grandes áreas de atuação para indústrias farmacêuticas

Genética: as empresas de biotecnologia já evoluíram a ponto de propor novas drogas e novos tratamentos para prevenir ou curar doenças. O estudo da KPMG aposta que os avanços serão ainda maiores nas próximas duas décadas, chegando a novas terapias para câncer, ELA, Parkinson e Alzheimer.

Imunoterapia: os tratamentos que buscam potencializar o sistema imunológico para que o próprio organismo possa prevenir ou combater infecções e doenças também deverão ganhar mais espaço.

Biotechs: as empresas de tecnologia irão colaborar cada vez mais e se tornarão parte da cadeia de valor de ciências da vida, especialmente, das farmacêuticas, seja para coletar informações que ajudam a melhorar as formulações, seja como parte do próprio tratamento.

Não basta o board da farmacêutica reconhecer essas mudanças. É insuficiente também começar a pensar em iniciativas com tecnologias emergentes. Os executivos, em especial o CEO, e não mais apenas o CIO, precisam transformar tudo isso (ainda hoje) em mudanças no modelo operacional e na forma como administram os negócios.

Se as mudanças podem ser dramáticas, então é preciso criar as fundações para que a empresa consiga monitorar mudanças e tomar suas decisões rapidamente. A transformação digital fez emergir tecnologias e as novas formas de computação corporativa. Agora, chegou a hora do próximo passo, concomitante. Percorrer a jornada da empresa Inteligente, conectando o mundo digital ao físico passa a ser necessidade e realidade. 

A Indústria 4.0 envolve a convergência de pessoas, de dados, de sistemas, de criação e de implementação de processos informatizados autônomos. A Indústria 4.0 é sobre como automatizar e integrar todos os aspectos do seu negócio. Isso pode incluir tudo, desde a operação, relatórios e monitoramento de uma máquina em sua linha de produção, até o pedido de matérias-primas de fornecedores, a rastreabilidade de produtos em toda a sua cadeia de suprimentos. Isso geralmente é chamado de transformação digital de seus negócios. Então, quais são os principais benefícios da Indústria 4.0 para a indústria farmacêutica?

O aumento de produtividade é um dos benefícios mais latentes que a Indústria 4.0 oferece. Desse, outros benefícios também fluem, como: automatização de processos, para que eles possam ser concluídos com mais rapidez e precisão; redução de tempo de inatividade com o uso de sensores e sistemas preditivos que tornam os sistemas mais inteligentes; autocorreção e prevenção de falhas; e integração da cadeia de suprimentos para torná-la mais eficiente.

O monitoramento automatizado e contínuo de sua instalação de produção levarão a menos erros e produtos finais de melhor qualidade. As tecnologias da Indústria 4.0 também possibilitam melhorar o serviço que você fornece aos clientes – isso pode ser feito com o planejamento aprimorado da produção, por exemplo, alcançado ao conectar dados de produção, suprimento, vendas e expedição em um sistema.

A conformidade com os novos regulamentos entrando em vigor na UE e em outros lugares ao redor do mundo é mais fácil usando as tecnologias da Indústria 4.0. Essas tecnologias oferecem relatórios em tempo real, coleta de maiores quantidades de dados, melhor análise e apresentação em formatos utilizáveis. Esses dados contextualizados levam a um maior conhecimento dos processos de negócios e de produção que, por sua vez, levam a uma melhor tomada de decisão.

Isso oferece várias vantagens. Por exemplo, os dados contextualizados facilitam a identificação de áreas para melhoria, possibilitando o melhor direcionamento dos recursos, além de oferecerem oportunidades de análise preditiva, como no desenvolvimento de produtos ou na previsão da demanda de clientes, ajudando as empresas a planejar o futuro.

Quando você agrupa todas as opções acima, o resultado é maior lucratividade nos negócios. Sua empresa também será mais competitiva e mais bem equipada para lidar com os desafios e oportunidades do futuro. A maioria dos fabricantes de produtos farmacêuticos já começou a jornada da Indústria 4.0, adotando a abordagem evolutiva mais realista do que a revolucionária.

Transformação digital: requisito mínimo para quem quer competir na indústria 4.0

O Agile Elephant define transformação digital como “uma mudança de liderança, pensamento, incentivo à inovação e novos modelos de negócios, incorporando a digitalização de ativos e um aumento no uso da tecnologia para melhorar a experiência dos funcionários, clientes, fornecedores, parceiros e partes interessadas”.

É uma mudança de comportamento e processos que afeta todos os setores, principalmente a indústria farmacêutica. O digital está capacitando as pessoas a desempenhar um papel mais ativo em seus próprios cuidados e tornando os processos mais eficientes para os prestadores de serviços. 

As grandes empresas farmacêuticas não são mais a única fonte de informações sobre como seus produtos funcionam. As recentes tendências da transformação digital fornecem a pacientes e players do setor acesso sem paralelo sobre o impacto de uma estratégia de saúde e como isso pode afetar seu bem-estar geral e a vida cotidiana.

As plataformas e comunidades online permitem que as pessoas discutam o progresso de seus tratamentos, enquanto alguns aplicativos conseguem rastrear como um paciente é afetado por uma medida terapêutica prescrita. Essas fontes fornecem aos especialistas insights acionáveis ​​sobre a segurança e eficácia de um medicamento ou terapia. 

De acordo com a consultoria McKinsey, em um artigo intitulado The Road to Digital Success in Pharma, o primeiro passo para se adaptar a esse influxo da digitalização é desenvolver processos para oferecer a você a capacidade de usar esses novos ativos de maneira eficaz. Ao fazer isso, as empresas farmacêuticas, antigas e novas, garantem que permaneçam a “principal fonte de autoridade no desempenho de seus produtos”.

A visualização de dados não é apenas estética, é baseada em resultados reais e em descobertas do setor. Com uma quantidade crescente de conteúdo disponível online diariamente, a maneira como as pessoas acessam e processam informações está mudando. 

O compartilhamento da inteligência baseada em dados deve ser feita de uma maneira tangível e acessível a um público mais amplo, não apenas à mente científica. Por exemplo, a visualização de dados pode melhorar como as informações do paciente são comunicadas a eles ou como certos medicamentos e tratamentos estão afetando diferentes áreas do sistema fisiológico.

Embora os profissionais de saúde continuem representando a relação entre pacientes e a indústria farmacêutica, as tendências digitais estão demonstrando que uma quantidade crescente de pessoas está mais engajada com seus planos de tratamento. A McKinsey diz que, devido à grande quantidade de informações digitais acessíveis em assistência médica e farmacêutica, mais de 85% dos pacientes se sentem mais à vontade em tomar as rédeas de seus tratamentos – ainda mesmo que com o mínimo acompanhamento profissional.

Essas informações permitem que os pacientes desenvolvam um melhor relacionamento com sua saúde e avaliem o custo dos produtos farmacêuticos ou serviços de saúde de que precisam. Para novas empresas farmacêuticas, as chamadas biotechs, tendências de transformação digital como essas podem ser benéficas, pois a indústria tem a oportunidade de se conectar e se envolver com potenciais clientes no ambiente digital.

Não apenas o atendimento ao paciente será aprimorado por meio de análises, inteligência artificial e outras tecnologias avançadas, mas a indústria de desenvolvimento farmacêutico também será transformada. Com informações em tempo real de ensaios clínicos, os fabricantes de medicamentos entenderão melhor como um medicamento afeta um usuário e como eles podem otimizar seus efeitos e minimizar os efeitos colaterais.

Para que as organizações sobrevivam e prosperem no setor de saúde digitalizado, as farmacêuticas devem começar a gerar ideias e implementar estratégias digitais imediatamente para desenvolver um modelo de negócio que permita transformar seus pontos fortes. No final do dia, é vital que essas empresas mantenham o objetivo final no centro de sua missão: a saúde e a segurança de seus pacientes.

Ebook Indústria farmacêutica 4.0: lições para o futuro - Engine