Como as empresas deverão lidar com os dados a partir da Internet das Coisas?

Por Enginebr
0 Comentário

A Internet das Coisas (IoT) tem como objetivo deixar tudo mais eficiente e inteligente. Desde já é necessário ajudar no desenvolvimento de aplicações atraentes e inovadoras, e a pensar de que maneira a mecânica da IoT deverá afetar suas organizações: armazenamento e segurança.

Segundo relatório do Gartner sobre a Internet das Coisas, o seu impacto na infraestrutura de armazenamento é outro fator que contribui para a demanda crescente por mais capacidade de armazenamento. E, atualmente, o foco deve estar voltado para isso e também em como a companhia pode ou não coletar e usar dados a partir da Internet das Coisas, de maneira eficiente, em termos de custos.

É preciso que os CIOs desenvolvam estratégias para lidar com IoT, uma vez que aspectos desta iminente avalanche de dados incluem:

1 – Como conservar inicialmente os dados, no momento em que são gerados

Provavelmente os dados serão recebidos de dispositivos da Internet das Coisas em diversos formatos, estruturados e não estruturados. Como fazer para armazená-los? Você irá escrevê-los em disco, no formato que os receber, e descobrir depois a falta de padrão? Irá configurar uma instância Hadoop online para processar esses dados? Irá torná-los disponíveis a cada hora, diariamente, semanalmente ou em algum outro intervalo de tempo?

2 – Como categorizar e classificar esses dados

Você pode até não se importar com os dados que estará recebendo a cada hora, de cada dispositivo. Mas, a parte dos dados que não está interessado hoje, poderá ser a chave para uma análise amanhã. Como será feito o desenvolvimento dos sistemas de classificação? Você irá reter alguns dados, classificados como relevantes imediatamente, e só depois pensará em arquivar os dados brutos? Quantas vezes terá de rever os seus resultados e suas classificações para certificar-se que estão alinhados com suas expectativas?

3 – Quanto tempo esses dados deverão ser mantidos

Será preciso descobrir o que ocorre com qualquer dispositivo ou sensor conectado, em momentos aleatórios, em qualquer dia, nos próximos 10 anos? Em algum ponto será necessário tomar algumas decisões sobre a retenção de registros. Porém, será preciso descobrir por quanto tempo manter o material, e de que forma.

4 – Como você deverá descartar esses dados com segurança

Com o advento do IPv6, existem endereços suficientes para dar a cada átomo na Terra 100 números IPv6, de forma que, no futuro, não haja qualquer necessidade de mascarar endereços. Seremos capazes de identificar cada dispositivo. O que significa que há preocupações de segurança e privacidade que devem ser abordadas ao descartar dados com esse tipo de informação rastreável nele.

Segurança também merece muita atenção

A segurança dos dispositivos conectados tem grande importância. Porém, a segurança da rede e da plataforma talvez seja ainda mais crucial para que esses dispositivos conectados gerem os resultados esperados. Grande parte dos CIOs vai lidar com a primeira fase da Internet das Coisas por meio do investimento e implantação de uma plataforma.

Fonte: CIO