Redefinir o monitoramento digital da sua empresa: 4 razões pertinentes para fazer essa mudança

Por Enginebr
0 Comentário

Para obter um diferencial na qualidade dos serviços e produtos, é necessário que as empresas tenham como meta o gerenciamento da performance digital de aplicações, que são essenciais para os negócios, e o atendimento às demandas dos clientes, que estão cada dia mais exigentes.

Com a grande concorrência e quantidade de informações e dados que o comércio eletrônico gera, monitorar cada detalhe sem obter uma ferramenta de apoio pode trazer graves consequências para as empresas. Isso porque não é viável gerenciar múltiplos sistemas e obter todas as informações em tempo real, tampouco controlar os acontecimentos. Portanto, as companhias bem-sucedidas estão usando tecnologias de performance digital para impulsionar vendas e os negócios.

Para entender a importância de focar na redefinição do monitoramento digital para a sua empresa, o portal CIO definiu quatro motivos pertinentes para apostar nessa mudança.

Inteligência artificial: o controle dos negócios

Como as aplicações e os ambientes operacionais estão cada vez mais complexos, grande parte das empresas tem a capacidade de monitorar só 5% de suas aplicações mais críticas, com ajuda das ferramentas tradicionais de monitoramento.

Obtendo o auxílio da Inteligência Artificial, os processos podem ser todos automatizados, a ponto de tecnologias como APM (Application Performance Management) proverem uma avaliação automatizada do impacto de um problema para os negócios de uma companhia, ou descobrir de forma automática alguns problemas de desempenho, antes que os clientes sejam afetados.

Menos alertas e mais eficiência

É comum que as equipes de TI sofram com a sobrecarga de alertas. A performance de aplicações depende, em grande parte, de um conjunto de tecnologias que são interdependentes. Se algum desses componentes falha ou diminui a velocidade, pode gerar uma reação em cadeia, fazendo com que a equipe fique cercada de diversos alertas provenientes de várias ferramentas de monitoramento. A questão é ter conhecimento de quais são as informações realmente relevantes e o que tem de ser feito para resolver os problemas digitais.

As ferramentas que possuem Inteligência Artificial como base acabam com uma boa quantidade de sinais, sendo eficientes em identificar e compreender que um determinado número de alertas pode estar relacionado a um único problema, possibilitando causalidade e não correlação.

Métricas simples são ineficientes

Não é missão para qualquer ferramenta de monitoramento ter uma visão completa da situação dos contêineres e dos recursos subjacentes. Grande parte só mostra um cenário superficial. Além de exibir de forma detalhada a saúde dos contêineres, dos programas e serviços que rodam dentro desses contêineres, soluções como APM identificam automaticamente os problemas e suas origens, possibilitando uma melhor visibilidade das camadas da aplicação de fim a fim. Esse é mais um motivo para as empresas escolherem renovar seus sistemas de TI.

Aposte em alta fidelidade dos dados

As soluções de monitoramento usadas por sua empresa são capazes de gerenciar a alta quantidade de transações, serviços e hosts se seu ambiente migrasse para a Nuvem e para Microsserviços? Conseguiriam ver detalhes de ponta a ponta de 100% das transações?

São esses “detalhes” que diminuem a ineficiência da solução dos problemas, evitam que impasses apareçam na tentativa de otimização da performance e, sobretudo, impedem a automatização das operações sem visibilidade total dos dados. Para ter respostas seguras é necessário alta fidelidade dos dados com escalabilidade. E isso só é atingível com a utilização de um sistema de gerenciamento de performance digital.

Com as tecnologias adequadas é possível alcançar melhores resultados e também utilizar menos recursos para implementar e gerenciar o ecossistema de monitoramento. Com a rapidez essencial para ambientes de e-commerce, o sucesso só será atingido por empresas que escolherem plataformas de gestão da performance digital.

Fonte: CIO